oklima em verso e prosa
Contos e Versos
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos

O resedá da casa de meu avô

          A casa do meu avô, na avenida Tabajaras, em João Pessoa, era um estágio avançado dos meus sonhos de futuro. Era lá que eu ficava quando os estudos me cobravam alguma coisa a mais do que havia aprendido até então. Quando as matérias surgiam dificultosas ou cresciam no conteúdo, lá vinha eu de trem, maleta na mão, o coração batendo forte os meus sonhos de moço, a mente aberta para novos conhecimentos.
          E lá estava ele à minha espera. Meu avô João Cunha Lima, o sorriso aberto no magro rosto, os óculos grossos de grau ampliando-lhe a visão do mundo, o cheiro de resedá evolando das mãos esbranquiçadas, de veias azuis, que me afagavam os cabelos, davam-me boas-vindas e, presas às minhas, conduziam-nos, mala, sonhos e eu, pelas calçadas estreitas a caminho de casa.
          O pé de resedá pluralizava as cores da fachada, do muro baixo e do portão de ferro fino, pintado de novo. O cheiro das flores tomava conta do terraço, da sala, do armário de mogno, das louças decoradas, expostas em suas prateleiras de cristal. Expandia-se pela mesa, pelo quebra-luz de cerâmica reproduzindo um castelo que espargia uma luz azulada pelas janelas minúsculas da torre. E invadia os quartos, perfumando o descanso acamado de Voinha – Maria José Cunha Lima - sílfide visão de santa de olhos azuis e pele transparente, trasnsparecendo bondade no rosto tranquilo, nas rezas murmurantes das preces de bem-querer, no gesto carinhoso de me chegar às mãos um pouco das suas homeopáticas bolinhas de açúcar. E chegava à cozinha, ao fogão de lenha, voltando ao ganho das ruas misturado à fumaça que emergia do bueiro fino, de ferro galvanizado.
          Noites e mais noites, após as lições de latim ministradas por um primo de meu avô, ficávamos, ele e eu, a conversar sobre um pouco de tudo e, certa feita, sobre o pé de resedá:
          - Recebi-o de um amigo, vindo do norte da África, que me orientou como plantá-lo e como dele cuidar no crescimento. Distribui algumas mudas com meus filhos. José, seu pai, tem um. Não sei se com o mesmo cheiro, mas tenho certeza que tem o cheiro meu.
          Era um poeta, o meu avô. Às vezes, mal o sol nascido, eu, vigilante das aulas latinas, o ouvia rimando frases, fraseando versos, sonetando flores ou poetizando sensações amorosas, mas sempre de forma discreta e sussurrante. Numa chuvosa noite de maio, após recitar para ele, na mornança da sala, várias poesias minhas, provoquei-o de forma inesperada:
          - Vovô, declame uma poesia para mim!
          Ele me olhou por sobre os óculos - o azul de seus olhos parecendo procurar alguma imagem além do espaço visual -, temperou a garganta, meneou a cabeça e me mentiu:
         - Não sei de nenhuma.
         - Essa não! O senhor sabe, sim! Eu já lhe ouvi recitando, pareceu-me um soneto, sobre uma “virgem de colo casto e puro”... Declame esse para mim!
Ele baixou a cabeça, procurou o vazio do chão para ver o nada, e, em voz baixa e compassada, começou:


VIRGEM

Virgem casta, de rosto fasto e puro,
que entre cortinas da janela vejo,
enquanto vago da calçada o escuro,
disfarçando o querer do meu desejo.

Ó virgem pura, enquanto eu me aventuro
em ver-te sombra, e a sombra pastorejo,
vê se me vês enquanto te procuro,
e me corteja o quanto te cortejo!

O meu passo noctívago, temente
passa frente à janela, novamente,
repara, passa e pára-me, inseguro,

quando a cortina freme, levemente
e nela envolta vejo, à minha frente,
da virgem casta o rosto fasto e puro.

          - É seu, vovô? – Ele quase não me respondeu. Tentou ser “sim” com a cabeça, meneou os ombros, tossiu, olhou-me como não querendo me ver, e me falou entre os dentes, como quem quer calar:
          - É. Agora vamos dormir que amanhã cedo é dia de matar as saudades de Campina Grande.
          Abracei-o, beijei-lhe as mãos de veias azuis, e sonhei azul, como há muito não sonhava.  Quando cheguei em Campina fui direto ao pé de resedá - abraçado ao coqueiro e de mãos dadas com a goiabeira. Era verdade verdadeira. As suas flores tinham o mesmo cheiro das mãos do meu avô!
 
JPessoa/PB
oklima

oklima
Enviado por oklima em 11/06/2011
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários