oklima em verso e prosa
Contos e Versos
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos

CONCURSO TALENTOS DA MATURIDADE


Acabo de receber do “CONCURSO TALENTOS DA MATURIDADE” o seguinte e-mail:

“Agora, o ano todo valorizando o seu talento.

O ano de 2010 chegou com o propósito de nos aproximar mais ainda. Por isso, nos próximos meses teremos algumas novidades.

A primeira delas é que o Catálogo dos Talentos da 11ª edição já está em nosso site. Por meio dele, você conhece um pouco mais os vencedores e a história de cada um, sabe mais sobre os projetos apoiados na categoria Programas Exemplares e também confere a história e as justificativas dos jurados.

A outra novidade é o Blog dos Talentos, um espaço para você acompanhar o que há de novo. Como, por exemplo, tudo o que aconteceu na premiação do Concurso 2009. Acesse o blog e entenda um pouco mais sobre ele e sobre como participar, alem de segui-lo.

Aguarde mais novidades e visite sempre o nosso site para saber o que estamos preparando para você e o Concurso Talentos da Maturidade”
************
Como ainda decepcionado estou com os mentores desse evento (patrocinado pelos bancos Santander e Real), utilizei do mesmo endereço eletrônico da recepção, contato@talentosdamaturidade.com.br, encaminhando aos responsáveis o texto que transcrevo:

“Interessante!!!!! Participei com um SONETO no CONCURSO TALENTOS DA MATURIDADE, edição de 2009, que sequer foi lido pelos julgadores. Tanto que me foi entregue um “CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO EM ARTES PLÁSTICAS!!!! Não sei nem me interessa saber onde os "JULGADORES" visualizaram "POESIA" nos dois escritos escolhidos:

“REPETI O EPISÓDIO”
Margarida Maria Corcao

Escrevi bilhetes e
mandei-os a uma praia distante.
Coisas que não dou só a amigos
e mais que tudo, hipocondria,
um tique de pensar sem abrir os olhos,
a boca tramando um beijo.”


“PARANEIA” (IPSI LITERIS)

...ele arquejava agonizando
- Pode falar de morte e de vida na mesma estrofe?
...ele arquejava
o sangue jorrava da boca em verde cascata
- Pode mandar para o inferno
os senhores:
Roland Barthes, Gerard Genette e Levi Straus?
(e que vá o professor também para o inferno)
...ele arquejava, os olhos baços de quem
quase nada quer
Quando eu era menino gostava de brincar
nas grandes casas vazias
para sentir o cheiro de tinta fresca
e brincar com o eco de mina voz
repetindo
repetindo
rep
...ele morria jogado no chão
- Pode morrer alguém de súbito numa rima?
Já tive uma amante nojenta
que saiu pulando pelada
depois que fez amor comigo
(logo naquela noite que eu estava tão romântico...)
- Pode fazer anarquia no verso?
Aquele passarinho morto na mão de meu pai
é o quadro que Portinari não pintou
Um dia, um palhaço quis voar e pediu
as asas a uma borboleta
a borboleta morreu de rir
o palhaço morreu no chão
Sabe aquela estrela mais gorda no céu?
Ela é minha, vou fugir pra lá
quando ficar famoso
só para não dar entrevistas
- Pode ficar doido no soneto?
Aí ela me olhou longamente
apagou o cigarro e me disse uma frase de Descartes
(a frase já esqueci, mas não consigo esquecer
como ela estava bonita naquele dia)
é preciso falar de saudade
nessa porcaria de poesia
senão não tem graça:
Quando faz noite fria me lembro dela
...ele morreu de bruços
na calçada com uma facada nas costas
choveu muito e eu fui pra rua
gosto de ficar todo chovido
(porque água e poesia matam
a quem não sabe brincar com elas, sei disso)
Agora vou falar do meu amor
para acabar esse poema direitinho:
ela é meu mar de ondas
que vão e que vêm,
Eu sou o rochedo náufrago
tentando me afogar, mas não consigo
- Será que podia falar de amor nesse poema, gente?”

Também não sei nem quero saber por que não leram o soneto com que participei, posteriormente divulgado em sites poéticos brasileiros e portugueses, sendo elogiado por todos. Nenhum deles o adotou como “ARTES PLÁSTICAS”. Essa adoção, graças a Deus, foi só e simplesmente dos senhores do Santander e Real:

EU SEI QUE VOU TE AMAR ETERNAMENTE
Odir Milanez da Cunha


Eu sei que vou te amar eternamente,
como às santas, na reza de uma prece,
enquanto vida houver no amor da gente,
enquanto o nosso amor não nos esquece.

Eu vou te amar de forma diferente
até o dia em que o final comece,
cada instante sonhando permanente,
creditando que amor não envelhece.

Saberemos nós dois viver vontade,
querendo que a tristeza nos contente,
criando climas de felicidade.

Mas se um dia o amor nos seja ausente,
pelo tempo que teime em ser saudade
eu sei que vou te amar eternamente!

Posteriormente voltarei ao assunto com mais vagar e, quiçá, mais frequência, quando os senhores iniciarem as novas inscrições do concurso. Espero que publiquem o que escreverei a respeito, desde já me comprometendo a dizer a verdade e somente a verdade.
Odir Milanez da Cunha”

***************
Infelizmente, o meu e-mail retornou como “não recebido”, o que me leva a tentar fazê-lo conhecido dos poetas que possam estar pensando na participação nesse tal “CONCURSO TALENTOS DA MATURIDADE”

oklima


oklima
Enviado por oklima em 21/01/2010
Alterado em 29/10/2010
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários