oklima em verso e prosa
Contos e Versos
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos



PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO


Disse Jesus: “Um homem tem dois filhos
e o mais moço dos filhos o provoca:
“Dá-me parte da herança que me toca,
que eu quero me livrar dos empecilhos.”

O pai, que é cumpridor de seus deveres,
com a tristeza de quem perde a esperança,
concede a cada um a sua herança,
distribui, entre os dois, os seus haveres.

Poucos dias depois se faz ausente
o filho moço, e num país distante
esbanja sua fortuna num instante,
vivendo a vida dissolutamente.

A herança esbanjando na luxúria,
sobrevém ao país uma grande fome.
E o filho moço, sem dinheiro e nome,
conhece o sofrimento da penúria.

À procura de emprego se degrada,
cuida de porcos mansos e selvagens,
comendo do que sobra algumas vagens,
e, arrependido, em desespero brada:

“Na casa do meu pai, aos empregados
não falta o pão, que têm em abundância,
e eu morrendo aqui, na mendicância
como o mais infeliz dos flagelados.

Voltarei ao meu pai e lhe direi:
Já não há em meu corpo nenhum brilho,
não sou merecedor de ser teu filho,
pois contra ti e contra o céu pequei.”

Para ter com seu pai, como deseja,
aos tropeços retorna. Longe, ainda,
o seu pai, pressentindo a sua vinda,
ao seu encontro vai, e abraça e beija.

O filho diz, então: “Pequei, senhor,
contra o céu, contra ti, eis meu pecado.
De teu filho não posso ser chamado,
faz-me de servo, faz-me um teu pastor!”

Mas o pai os seus servos logo apresta:
“Trazei a melhor veste, anéis, calçado,
matai o meu novilho mais cevado,
comamos e façamos uma festa!”

O seu filho mais velho, desde a sega
ouvindo o som das danças e da festa,
volta à casa e pergunta: “A quem se presta
essa festa que o pai sempre me nega?”

Um servo diz:”Voltou o teu irmão
e teu pai um novilho bem nutrido
mandou matar, e a ele está servido,
pois ele está de volta, salvo e são.”

Ele então se enfurece. O pai insiste
que festeje o irmão reencontrado,
e o mais velho dos filhos, revoltado,
diz ao seu pai:”Estou zangado e triste.

Tantos anos te sirvo, tanto acordo
cumpri sem reclamar, sem nenhum grito.
Jamais me festejaste com um cabrito!
E ao que pecou, deste um novilho gordo!”

O pai o abraça e diz:”Ah, filho meu!
Estás comigo, é teu todo o conforto.
Festejo o teu irmão, que estava morto,
por achar teu irmão que se perdeu!"

Dessa parábola, um fato sobressai
como lição de Deus, pelo Seu código:
Em cada um de nós há um filho pródigo
querendo a vinda ou sua volta ao pai.


Odir, de passagem
oklima
Enviado por oklima em 20/04/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários