oklima em verso e prosa
Contos e Versos
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos



                                                        O SAPO

          Desde a mofa de Ramiro sobre o meu medo de sapo, fiquei matutando sobre o assunto, dia após dia, até que abracei a crença de coragem interior e, numa nova visita ao Engenho Mundo Novo, fui, pela manhã, sozinho, ao banheiro do açude. Destravanquei a porta entrelaçada de cipós e varas, corri-a de volta e me sentei no estrado, junto à escada de acesso à água.
          Aos poucos fui me acostumando com as sombras do cercado, até conseguir divisá-los. Havia uns quatro sapos ao meu redor. Quase que achatados, parecendo parte da taboa em que dormitavam a frigidez da manhã de pouco sol. As jias e rãs, essas de quando em vez elevavam os coaxos acima dos cricris finos e persistentes dos grilos a engatinharem nos paus limosos que vedavam da vista dos homens o banhado tranqüilo e demorado das bangüeiras. Eram muitas as rãs! Mais de vinte, contei. Variegadas e luzidias, apesar da pouca claridade, ágeis no lançar a língua enorme sobre moscas e formigas, trazendo-as presas ao próprio visgo e as engolindo com a mesma rapidez do lançamento:

De verde-oliva, jias, pererecas,
parecem bailarinas, marionetes,
finas figuras, sílfides ninfetes,
miniaturas vivas de bonecas.

          Vigiando-as e totalmente envolvido com suas idas e vindas, esqueci-me dos sapos. Os sapos! Voltei-me para eles. Dois já haviam acordado, tomando a posição prévia de pulo. Um era enorme, cinzento, o couro das costas encarquilhado, com protuberâncias calosas, o papo branco e tremente assemelhado a um fole em miniatura, os dois olhos enormes fixos em mim. Tremi nas bases, mas continuei acocorado à sua frente. Será que ele estava pensando que eu tentava imita-lo?

Sapo gigante, verrugoso sapo
chato, deitado, e, se sentado, chato,
olhar que vê no escuro, olhar de gato,
a boca imensa, imensidão de papo.

Sapo que anda aos pulos, no sopapo,
de pés e mãos aparentando um pato,
língua de fita que, na finta, a jato,
fisga besouro, mosca, qualquer trapo.

Sapo que geme, chora, canta e dança,
que não guarda nenhuma semelhança
com os demais seres vivos, eu receio

ao vê-lo verruguento, a enorme pança,
que fez somente o mal, quando criança,
por isso assim cresceu, visguento e feio.

          Voltei-me para o outro: era bem menor e bem diferente. O seu dorso era azul. Um sapo azul! De olhos meio achinesados, firmando-se nas quatro patas, o papo fino de pouca tremura, a me olhar de baixo para cima como querendo identificar que bicho eu era. Enquanto o outro continuava sentado, imóvel como uma estátua, o sapo azul começou a caminhar para mais perto de mim. E estranho é que dele eu não estava com medo! Chegou-se mais perto, sempre a me olhar de baixo para cima e de cima para baixo, avaliando-me a cada novo passo e já ao alcance da minha mão. Sem tirar os olhos de mim, esticou as patas dianteiras e se sentou da mesma forma como sentado eu estava. Vagarosamente e sem um tico de medo, estendi o braço em sua direção e toquei-o de leve. Ele sequer pestanejou. Pode ter sido impressão minha, mas pareceu-me sorrir. Desse sorriso calado, que apenas a boca muda de formato e se torna suavemente engraçada. Repeti o toque. Ele não se mexeu. Corri os dedos pelas suas costas azuladas e crespas. Ele voltou a se firmar nas quatro patas, dando mais dois passos para mais perto de mim, sentando-se novamente. Voltei a alisar-lhe as costas. Ele voltou a me sorrir, encorajando-me. Cuidadosamente, tomei-o nas mãos. Ele distendeu os braços e as pernas, como quem se entrega a um novo destino sem nenhum receio do que há de vir.
            De repente me veio a compreensão de tudo. Eu havia feito um novo amigo e ele me considerava como tal. Um amigo sapo azul que agora assentado em minha mão, olhando-me nos olhos, parecia me transmitir coisas de um mundo por mim desconhecido, costumes e formas de vida que eu ainda não atentara existisse, ou vontade de mudança de espaços mais condizentes com as andanças de um sapo azul.
          Na volta à casa grande ninguém o notou sob a minha camisa. Tio Cunha foi quem se admirou com a folha de jenipapo presa ao calção, usada para encobri-lo.
          - Oxente, Liminha, pra que essa folha?
          - Dor de veado, tio. Dona Dulce disse que passava.
          - Aquela negra é maluca, menino! Dor de veado passa com capim-vassoura ou melão do mato! – e abriu na risada que ainda era ouvida do quarto onde eu agasalhava Frederico I, o meu sapo azul, numa lata vazia de cera Parquetina, escondendo-a sob a cama.
          À tardinha voltamos para João Pessoa. Antes de subir na camionete, Dona Arminda ainda chegou a me perguntar:
          - Que é que tu levas nessa lata com tanto cuidado, Liminha?
          - Ovo de capoeira, tia, que catei nas moitas de capim-santo – e, com medo que ela pedisse os ovos de volta – Ovo e puxa-puxa que fiz de manhã, junto do bangüê.
          Quando chegamos a João Pessoa, Dona Anginha, minha mãe, entretida estando com os garajaus de rapadura, os sacos de milho verde, de farinha de mandioca e as cestas de ovos e de frutas - nem notou quando entrei em casa com a lata de cera sob o braço, o coração batendo acelerado, e os planos futuros sobre Frederico I fervilhando na cabeça.
          Na segurança do quarto, abri a lata, vagarosamente, temendo um pulo seu pela janela aberta, junto à cama. Parecia dormir. À luz velada refletia-se-lhe no corpo achatado, matizando cores tirantes do azul. Os olhos estavam cerrados A língua, em forma de fita, sobressaia em um dos cantos da boca. Cutuquei-o. Mal se mexia. Estaria com fome? Com sede? Tirei-o da lata, coloquei-o, cuidadosamente, debaixo do travesseiro, escondi a lata debaixo da cama, e fui à cata de comida para o rei.
          Na sala de jantar, a mesa estava farta. Milho assado, manga, banana amadurecida no pé, sapoti, graviola, pé-de-moleque, puxa-puxa, rapadura batida, ovos fritos e cozidos, cuscuz com leite de gado, a turma toda em volta, no belisco, e Dona Anginha:
         - Tás doente, meu filho? – e ao meu sinal que não – Chegou, correu pro quarto, não me pediu bênção...
          - É só dor de cabeça, mãe. É a poeira da viagem. Bênção?
         Beijei-lhe as mãos que corriam meus cabelos, enquanto eu pregava os olhos no chão à procura de um besouro, de um grilo, de uma barata...
          - Mãe, onde é que tem barata?
          - Lá no engenho deve ter. Aqui, não! Você agora ta brincando com barata?
          - Não, mãe. Eu quero pegar para levar pro engenho. Os sapos do açude é só o que comem. E alguns são tão magrinhos!
          Riram todos enquanto eu, compenetradíssimo, continuava a procura pelos cantos da cozinha, ouvindo, sem querer, a voz risonha de Dona Anginha:
          - Era só o que faltava Liminha inventar! Dar de comida a sapo!
          Fiquei com medo. E se fossem ao meu quarto? E se encontrassem Frederico sob o travesseiro? Apressei-me. À luz fraca do terraço que dava para o quintal, consegui, finalmente, encontrar o que procurava: um formigão, alguns besouros, e uma mariposa de asas felpudas que se debatia no batente cimentado. Pequei-os com a camisa, arrodeei pelo beco, pulei a janela do quarto, passei o ferrolho na porta, coloquei o formigão, os besouros e a mariposa na lata, e tratei de acordar Frederico I. Levantei o travesseiro e ele nem se mexeu. Passei os dedos sobre o seu dorso, agora de um azul-escuro. Estava mais frio do que de costume. O travesseiro não fora suficiente para esquentá-lo. Levantei-o. As mãos e as pernas penderam, balouçantes, no espaço vazio. Chamei-o pelo nome. Nada. Tentei lhe abrir os olhos que pareceram não me ver. Sacudi-o. Abri-lhe a boca desdentada, soprei-lhe o que pude da esperança de vida havida em meu peito mas nada adiantou. Frederico I, o meu sapo-rei azul, estava morto!
          Com o meu grito acorreram todos à porta, que não resistiu ao primeiro tranco de Marcos. Encontraram-me sentado ao chão, sob a lâmpada, pranteando, copiosamente, o pequeno corpo de Frederico I em meu colo.
          - O que foi que....Ó, meu filho, o que é isso?
          - É...é Frederico I, mãe, um... rei... meu amigo que eu trouxe do engenho... – minha voz saia cortada, aos pedaços, parceira de meus soluços – Eu abri a lata, mãe..., coloquei ele na cama....fui buscar comida para ele...e ele morreu, mãe!
          Dona Anginha me abraçou, sentou-se na cama e me agasalhou em seus braços e colo de maternais carinhos, enquanto eu escutava, parecendo vir de muito longe, as vozes de Marcos, de Geraldo, de Gilza, de Maria e de Terezinha. E as vozes se ajuntavam num só murmúrio e às vezes se uniam num silêncio só.
          - Onde está a lata, meu filho?
          - Debaixo....da....cama...
          Alguém a retirou, abriu e a soltou, de repente, no chão de cimento, num barulhão medonho, enquanto os besouros e a mariposa voluteavam em torno da lâmpada, e o formigão escapava da morte pela porta escancarada.
          - Foi você que prendeu esses bichinhos na lata, filho? – Como era doce e suave a voz de Dona Anginha! Até mesmo no instante da reprimenda, no momento da censura, o tom era o mesmo: acariciante e disciplinador, sorridente e circunspeto.
          - Era... a...comida...de...Frederico, mãe!
          Seguiu-se um cochichado, de que participaram todos - menos eu, agora sozinho na cama com Frederico ao colo. Marcos foi quem representou a família, sentando-se ao meu lado:
          - Bem, Liminha, Frederico morreu, não é verdade?
          Balancei a cabeça que sim.
          - Agora é tratar do enterro, não é verdade?
          Voltei a acenar que sim.
          - Vamos enterrá-lo agora?
          - Pode ser na lata, Marcos?
          - Uma ótima idéia! A lata vai ser o caixão de Frederico.
          - Frederico I, Marcos. Ele era rei. Era um sapo-rei-azul!
          Levantei-me, apanhei do chão a lata de cera Parquetina, forrando-a com guardanapos de papel. Dona Anginha trouxe flores de resedá, cobrindo, com elas, o corpo achatado de Frederico I. Rezei, baixinho, um pai-nosso, pus a tampa e seguimos, em fila indiana, para os fundos do quintal, com Marcos à frente, de lanterna na mão. Entre o coqueiro e o muro, na parte mais arenosa, escavaquei um buraco de bom tamanho, baixei nele o féretro de Frederico I, o sapo-rei-azul, tapando-o com terra e pedregulhos, rebatidos, logo após, por vigorosas botadas de meu irmão:
          - Para que o corpo de Frederico descanse em paz.
          Ainda me aventurei:
          - Posso colocar uma cruz, mãe?
          - Não filho, a cruz é o símbolo dos cristãos.
          - Mas Frederico I era cristão, mãe!
          - Ele ia à missa?
          - Não, mãe.
          - Ele se confessava e comungava?
          - Não, mãe.
          - Então nada de cruz.
          Voltamos para dentro de casa na mesma fila indiana, Marcos iluminando o caminho. Pedi a bênção, mais uma vez, a Dona Anginha, que me exigiu tomasse banho antes de deitar. Obedeci-a, mas sem deixar de levar comigo papel e lápis.
          Cedo da manhã seguinte, antes de apanhar os jornais para distribuição na rua, voltei ao túmulo de Frederico I, enterrando, bem ao centro, a cruz de um dos terços de Dona Anginha, e colando no muro em frente o soneto que a ele dediquei:


HOMENAGEM PÓSTUMA A DOM FREDERICO I


Frederico Primeiro, aqui descansa
o seu sonho de plena liberdade
ao sair de um engenho pra cidade
cheio de planos, pleno de esperança.

Frederico Primeiro, inda criança,
foi meu amigo, amigo de verdade.
E quando amigo vira eternidade
passa a ser imortal numa lembrança.

Quis de meu fardo o acaso ser destino
nas graças de um sorriso pequenino
vindo d’águas brejeiras do paul

para marcar meu peito de menino,
com a morte de um rei, de um deus Faustino
Dom Frederico, o Sapo-Rei-Azul!


Odir, de passagem

oklima
Enviado por oklima em 03/08/2008
Alterado em 08/10/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários