oklima em verso e prosa
Contos e Versos
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos



TROVAS


Se de lembrança se vive
na vida de não ser nada,
desse amor que nunca tive
sinto uma saudade danada!

A minh’ alma apaixonada,
da saudade prisioneira,
busca ouvir e escuta nada
dos sonhos da vida inteira.

Navego a velocidade
do vento em louca procela
nos mares dessa saudade,
marulhando o nome dela.

Falando coisas bonitas,
saudade se diz de paz.
E vai tramando vinditas
nas visitas que me faz.

Restou do amor a esperança,
da esperança uma saudade,
da saudade uma lembrança,
da lembrança uma vontade...

O sentido da saudade
pude agora perceber:
saudade é não ter vontade
da vontade de esquecer.

A mesma mesa de bar,
o mesmo copo de vinho...
Quando a saudade acabar,
nunca mais bebo sozinho!

À noite, quando adormeço,
e sonho não sei com quê,
vem a saudade e me esqueço
de me esquecer de você.

Na admissão da verdade
deixei de ser sonhador:
exonerei a saudade
demitindo-me do amor.

A saudade, em minha idade,
é uma saudade danada
pois tudo me dá saudade:
sou só saudade e mais nada!

O seu olhar, que maldade!,
de meu olhar se perdeu
e no mar mato a saudade
do verde que me esqueceu.

Fui entender a saudade,
depois que pensei bastante:
saudade é minha metade
quando está de mim distante.

Colada a mim, pela rua,
sombria sombra caminha.
Saudade tendo da tua,
nem parece ser a minha!

A lua, de nuvens nua,
cultua o céu à vontade
e clareia em nossa rua
os passeios da saudade. 

Amplidão dos extremados,
dos mares as fantasias
são portos ultrapassados
dos vates nas travessias.

A poesia me faz forte
quando me vem a desdita.
Ao sentir do amor a morte,
ela logo o ressuscita.

Sou poeta e pecador,
da matéria a criatura
que peca e morre de dor
porque tem a alma pura.

Vivendo sonhos sonhados,
compulsando alegorias,
aos amores figurados
oferto as minhas poesias.

Pelo amor que estou perdendo
e sinto perto do fim,
pouco a pouco vai morrendo
o poeta que há em mim.

Odir, de passagem
13.07.08
oklima
Enviado por oklima em 13/07/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários